Mestre é aquele que ensina

Mestre é aquele que ensina, e triste é a sociedade na qual isso ainda precisa ser afirmado. 

*          *          *

Fala-se muito, hoje em dia, que o professor deve exercer o papel de mediador entre o aluno e o conhecimento. Não concordo. E é nesse tipo de conceituação, estreitamente influenciada pelo movimento da Nova Escola nos modelos pedagógicos ao longo do século XX, que reside, a meu ver, a chave para a compreensão do grave problema educacional com o qual nos deparamos hoje.

Quando se fala em crise da educação, há muita coisa a ser discutida. Não é minha intenção aqui discutir tudo. E também não é minha intenção passar a ideia de que a educação escolar antiga não tinha lá seus problemas: autoritarismos, excessos disciplinares, desrespeito à pessoa da criança. Não estou aqui para romantismos passadistas. Mas o fato indiscutível é que, no processo de crítica, o movimento escola novista jogou o bebê fora junto com a água do banho. E esse erro não será corrigido enquanto não redimensionarmos o papel do professor, purificando a discussão de todas as falácias que costumam rondá-la. Se não restituirmos ao professor o lugar que lhe é devido, continuaremos falhando no objetivo de transmitir às crianças, e principalmente àquelas que vêm dos meios sociais menos favorecidos, o legado das disciplinas que compõem o currículo escolar. 

Professor não é mediador. Professor é vetor: portador e condutor do conhecimento. Mas o professor hoje é instado, veementemente, a menosprezar o seu papel. Fico impressionada como certas frases absolutamente banais são aplaudidas e alçadas a princípios pedagógicos inquestionáveis. A educação vive o império do sentimentalismo ilógico. Menos do que a assumir de mangas arregaçadas a tarefa de ensinar, o professor hoje é convidado a “aprender enquanto ensina”, a ver “o aluno como protagonista do seu próprio processo de aprendizagem”, e a si mesmo, antes de tudo, como um “agente de transformação social”. 

A primeira frase é de uma banalidade acachapante. Toda e qualquer profissão, sem nenhuma exceção eu diria, traz no processo de seu exercício a possibilidade de se aprender alguma coisa e sempre mais. Um médico aprende a ser um médico melhor na medida em que interage com seus pacientes, ou seja, na medida em que exerce a medicina. Do mesmo modo, um engenheiro, um cantor, um entregador de pizzas, um policial… Qual é a novidade? Também é um truísmo dizer que o aluno é o protagonista de seu processo de aprendizagem: se não fosse o aluno o protagonista da aprendizagem, quem seria? É em torno do aluno que se tece a trama do aprender, do mesmo modo, eu diria, como é em torno do professor que se tece a trama do ensinar. Mais uma obviedade piegas.

Já a terceira frase está na fronteira entre a megalomania e a tirania. Professor agente de transformação social? Há aqui dois problemas. O primeiro é ético. Se o professor for pensado como um agente de transformação social, o aluno será pensado como um instrumento político. Tratar alunos, ou qualquer outra classe de pessoas, como instrumentos, não me parece muito bonito. O segundo problema é que, antes de visar a qualquer transformação social, o professor deveria, isso sim, visar à transformação pessoal do aluno.

Os pais matriculam seus filhos na escola porque entendem que o professor será capaz de lhes ensinar aquilo que eles próprios, por falta de qualificação ou por força das circunstâncias, não são capazes de ensinar. O que eles desejam, para os filhos, é a transformação interna que se dá quando todo aquele que ignora ou desconhece alguma coisa passa a saber ou a conhecer. Em suma, os pais acreditam que o professor pode ajudar seu filho a se tornar uma pessoa instruída nos saberes escolares. Em que momento a sociedade deu à escola a autorização para transformar o aluno em um instrumento de transformação social no sentido político do termo? Famílias de camadas médias e altas têm a possibilidade de escolher a escola de seus filhos de acordo com a sua visão de mundo e de educação. Mas o que dizer dos mais pobres, que precisam recorrer à escola pública? Alguém lhes perguntou que papel eles conferem ao professor?

A escola ocidental, tal como ela se constitui hoje como instituição, nasceu de um esforço de universalizar a transmissão do legado de gerações e gerações de homens sábios e dedicados, célebres ou anônimos, que souberam dedicar a sua vida à construção de uma civilização em que os saberes são oferecidos a todos os indivíduos sem que eles precisem fazer parte de sua concepção e produção. Nesse sentido, como disse o Abade de Clunny: “Somos anões no ombro de gigantes.” E os professores, o que eles são? Nada menos do que a nossa escada.

Diante disso, conceber o professor como um mero mediador é tirar da criança a vantagem que ela possui por ter nascido hoje, e não ter tido ela mesma que inventar a roda ou a teoria dos números. Quaisquer que sejam os métodos empregados, sejam mais ou menos ativos do ponto de vista da criança, o professor jamais será um mero mediador. Ele precisa estar ali, com a sua presença, a sua voz, a sua qualificação. E isso não só porque é seu ofício e seu dever ensinar o que sabe, mas também porque é na relação entre professor e aluno que se produz a centelha do verdadeiro aprendizado.

A relação entre professor e aluno é uma relação pessoal. O bom professor é capaz de se colocar no lugar do aluno, identificar-se com ele, ajustar-se ao seu ponto de observação e, ali estando, buscar o melhor meio de levá-lo a aprender. E, para fazer isso, ele precisa mobilizar não só o seu conjunto de saberes, mas também o seu repertório de qualidades humanas, tudo isso emoldurado por um genuíno entusiasmo pelo conhecimento. Sim, porque é o próprio conhecimento que deve estar no centro. É o conhecimento – que será transmitido pelo professor e assimilado pelo aluno, nos dois casos de maneira personalizada – o valor a ser perseguido. Perdendo-se isso, perde-se tudo. Quando o conhecimento – no sentido do patrimônio de saberes que hoje se veem distribuídos e organizados em disciplinas – deixa de ser o principal bem a ser oferecido pela escola, abrimos mão do essencial para ficar com o acessório. E tudo passa então a ser política.

Todos nós já tivemos oportunidade de constatar, com nossa própria experiência, que se aprende melhor com professores que admiramos por seu saber e por suas características pessoais. Uma escola pode ter os melhores materiais, as mais avançadas tecnologias e métodos; se não tiver bons professores, professores admiráveis, capazes de servir de modelo e de referência, a verdadeira aprendizagem não acontece. 

Ensinar é fazer compreender. E a experiência de aprender com um bom professor será sempre muito mais rica. Nenhum material bibliográfico ou concreto pode substituir o verdadeiro mestre. Simplesmente porque vai faltar aquele elemento humano, o olho no olho, a relação, a vontade de imitar, de chegar perto de onde ele chegou. Nenhuma criança vai mimetizar um autor que nunca viu ou uma placa de material dourado de madeira. O aluno só precisa acreditar que vale a pena saber as coisas que o seu professor sabe. Porque o conhecimento pode ser, por si só, um motivo de alegria e de satisfação.

        *          *          *

Imagem:

Albert Bettanyer, “Les taches sombres.” 

 

    *          *          *

Artigos relacionados:

Para que serve a escola?

A escolha da escola de educação infantil: critérios incontornáveis

A escola de Ensino Fundamental: alguns cuidados na hora da escolha

 

 

 

 

 

2 comentários sobre “Mestre é aquele que ensina

  1. Muito bem colocado, Cris. Nossos filhos não são autodidatas. Em tempos de Covid-19, o ensino à distância está mostrando isso. Agora, mais do que nunca, eles precisam de bons mestres.

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s