O que seu filho perde quando está diante de uma tela eletrônica?

download

O hábito de passar muitas horas diante de uma tela de aparelho eletrônico tem sido associado a uma série de problemas que afetam a saúde física e mental das crianças: sedentarismo, ansiedade, agitação excessiva, dificuldades de concentração, fraca interação social, alienação do mundo real. Porém, a despeito das exortações dos especialistas para que os pais resistam à tentação de entregar celulares e tablets nas mãos de crianças pequenas, é cada vez mais comum ver um bebê olhando para a tela de um celular.

É verdade que, diante da pequena tela, o bebê fica quietinho, fascinado, parece feliz… Mas podemos dizer o mesmo de um adolescente que passa o dia todo jogando videogame, não é mesmo? Experimente abrir a porta do quarto e perguntar a ele se quer parar de jogar para passear, estudar, ou fazer qualquer outra coisa. Capaz de nem escutar. Sabemos, porém, que esse não é um hábito saudável. Da mesma forma, a expressão de fascínio de um bebê diante de uma tela não indica que você está lhe dando algo realmente salutar e benéfico ao seu desenvolvimento. Indica somente que o que se passa na tela (ou a própria tela em si) está conseguindo atrair e reter a sua atenção, mais do que as outras coisas que acontecem ao seu redor. Muitas vezes, o tempo que o bebê passa olhando para o celular acaba sendo oportuno para uma mãe cansada ou atarefada. Mas é preciso muito cuidado: esses momentos de descanso ou de liberdade podem ter um preço alto demais.

Até completar três anos de idade, o bom desenvolvimento da criança depende fundamentalmente de ela estar imersa no mundo real. Todos os dias de sua vida são repletos de experiências inéditas: ela aprende novas palavras, descobre novos objetos, avança ligeiramente na habilidade de realizar um novo movimento. A criança só necessita de oportunidades para se maravilhar com objetos e experiências reais: estímulo para os cinco sentidos, música de qualidade, contato com a natureza, oportunidade de ouvir a sua língua materna sendo bem falada, seja por meio de leitura em voz alta, seja por meio de conversas com os pais. O adulto deve administrar essas experiências, auxiliando a criança no desenvolvimento das habilidades de observação e atenção. “Olhe esta flor amarela, que linda. Espere, vamos olhar mais um pouco. Sinta como o perfume é bom e a pétala é macia.” Mesmo que ela não entenda todas as palavras, muita coisa será assimilada, não tenha dúvida.

Ora, o acesso cotidiano às telas eletrônicas vai na contramão dessas necessidades, de várias maneiras. Em primeiro lugar, porque em nada favorece o contato da criança com o mundo real, muito pelo contrário. Em segundo lugar, porque ele pode afetar os padrões de observação e concentração da criança, uma vez que não lhe exige o esforço de focalizar o objeto de seu interesse em meio a outros objetos, sons, e coisas que acontecem em torno, nem tampouco permite que ela observe o mundo no seu próprio ritmo. A tela já lhe fornece um enquadramento prévio e um ritmo pré-determinado. Por fim, dependendo do temperamento da criança, a concorrência das telas pode tornar a realidade do mundo menos atraente para ela. Para muitas crianças, as telas passam a ser o único objeto de curiosidade.

É preciso levar em conta também que, uma vez acostumado com os aparelhos eletrônicos, seu bebê um dia vai ser capaz de solicitá-los com veemência e insistência. Esse momento pode vir tão logo ele esteja apto a apontar ou pronunciar algumas palavras. A cada solicitação, você terá que avaliar a situação e decidir se deve ceder ou negar. E, a menos que a sua criança seja extremamente cordata e obediente por natureza, isso pode dar ocasião a conflitos. Então, por que começar tão cedo? Por que entregar à criança algo que, além de não ser necessário nem adequado, você vai ter que eventualmente lhe negar? Quando ela for mais crescidinha, você certamente não vai ficar satisfeito se perceber que seu tempo está sendo gasto mais diante das telas do que com outras coisas que você considere importantes. Então, me diga, por que criar esse hábito quando ela ainda não tem nem consciência de que as telas existem, nem capacidade para pedir?

A partir dos quatro, cinco anos de idade, a não ser que a família construa um estilo de vida radicalmente diferente do padrão hegemônico, as telas dificilmente poderão deixar de fazer parte da vida da criança. Elas estão em toda parte, inclusive em nossas casas, e – o que é ainda mais relevante – em nossas mãos. Mesmo que os pais tomem a decisão de jamais disponibilizá-las diretamente à criança, ela eventualmente terá acesso aos aparelhos eletrônicos em ocasiões sociais, como festas de aniversário, visitas à casa de coleguinhas ou parentes, etc. Mas isso não é, necessariamente, motivo de preocupação. Os aparelhos eletrônicos podem, sim, fazer parte da vida das crianças maiores, como elementos de entretenimento, desde que haja uma supervisão competente e incansável por parte dos adultos. O importante é que você tenha consciência da necessidade de estabelecer uma medida e implementá-la por meio de regras firmes e claras. Agora, se o seu filho já está dependente das telas a ponto de não se interessar por outras atividades, você tem um problema e precisa enfrentá-lo o quanto antes.

Durante um período de alguns meses, você precisará empreender um firme trabalho de desconstrução do hábito. Procure manter a criança, o máximo de tempo possível, em atividades fora de casa, em lugares onde ela não terá acesso aos aparelhos eletrônicos. Comece devagar, aumentando gradativamente as horas de abstinência. Se ela costuma correr para o computador, o tablet ou celular assim que entra em casa, chegue um pouco mais tarde, passe em algum lugar para fazer um lanche, mude ligeiramente a rotina. Ao mesmo tempo, converse com a criança sobre a necessidade de diminuir o tempo diante das telas. Diga a verdade. Explique que os aparelhos eletrônicos só serão aceitáveis se não ocuparem tempo demais em sua vida. Em casa, ofereça alternativas. Proponha brincadeiras e jogos, assista a um filme junto com ela. Você precisará, em suma, fazer concorrência às telas, mas faça isso com inteligência e serenidade, sem medo e sem ansiedade.

Além de regular o tempo de acesso das crianças aos aparelhos eletrônicos, é muito importante, também, prestar atenção ao conteúdo que elas estão assimilando. O que está se passando na tela? Se o seu filho joga, quais são os jogos? Você os considera totalmente adequados? Se ele assiste a séries e animações, qual é a origem e o conteúdo que está sendo oferecido? Se ele assina canais de youtubers, como é o conteúdo apresentado e o linguajar utilizado? Quais são os interesses que esses influenciadores despertam em seu filho? Fugir dessas considerações significa protelar o enfrentamento de um problema real e incontornável. A tarefa de supervisionar, filtrar, regular e, se necessário, vetar o acesso de sua criança a conteúdos inadequados é inteiramente sua. Sem a sua firme ingerência, pessoas desconhecidas, e que em sua maioria veem as crianças apenas como consumidoras em potencial, estarão livres para fornecer cotidianamente, e de maneira privilegiada, o alimento da imaginação de seu filho.

                                                *          *         *

 

Artigos Relacionados: 

O cultivo do imaginário

A defesa do imaginário

Qual é o seu projeto para o seu filho?

 

                                              *          *          *

Imagem:

Donald Zolan (1937 – 2009)

 

O Estudo do Artista

51276380_2367781260172007_636440898304999424_n

O melhor caminho para auxiliar a criança no desenvolvimento da sensibilidade estética e dos critérios que levam à apreciação bem informada da arte, é colocá-la desde cedo em contato com obras de artistas consagrados pela tradição. Isso vale tanto para as artes plásticas como para a música. Assim pensava Charlotte Mason, educadora britânica do século XIX que criou um currículo escolar muito particular, que até hoje é utilizado em escolas do hemisfério norte e por famílias que praticam a educação domiciliar. No Brasil, é crescente o número de famílias que ensinam seus filhos em casa pelo método de Charlotte Mason. Se você quiser saber mais sobre o trabalho dessa notável educadora,  clique aqui nesse link.

Mas hoje quero falar aqui, especificamente, sobre uma atividade proposta por C. Mason para o estudo da arte. Trata-se do Estudo do Artista, que consiste em apresentar à criança, durante três meses, de seis a oito reproduções de obras de um mesmo pintor, uma de cada vez. Funciona assim. Escolha um lugar de destaque, e a cada 15 dias, disponha ali uma das imagens. Tendo sempre como medida o interesse manifestado pela criança, aos poucos, você pode explorar alguns detalhes da obra, fornecer informações sobre o artista e o contexto do quadro. O importante é não atropelar a sua curiosidade. O objetivo principal é que ela conheça a obra, veja e reveja muitas vezes, tenha a oportunidade de concentrar a sua atenção e apreciá-las de maneira livre e espontânea. O estilo do artista deixará uma impressão profunda e duradoura em sua imaginação.

A escolha do artista é livre, e fica a seu critério. Uma dica importante: não ceda à tentação de apresentar todas as obras de uma só vez. E – agora falando por mim mesma e não por Charlotte Mason – organize a atividade de um modo que, ao final do trimestre, a criança possa ver todas as obras em conjunto. Apresentei desse modo Leonardo da Vinci ao meu filho, que está prestes a completar 6 anos, e não poderia ter ficado mais satisfeita com o resultado. Lemos o “Da Vinci” da Coleção Crianças Famosas, e assistimos juntos alguns vídeos que mostravam a obra do artista em museus pelo mundo. O próximo trimestre ele vai conhecer Rafael Sânzio, e no outro Sandro Botticelli, pois, no nosso caso, o critério será cronológico. Esse ano será dedicado aos mestres do Renascimento.

Eu recomendo o Estudo do Artista, nesses moldes, para professores e pais. Trata-se de uma atividade muito simples, que pode envolver crianças de várias idades de uma só vez. Basta-nos conseguir as seis reproduções e coletar informações que nos permitam responder as perguntas que vierem. Essa parte – a da pesquisa – é aquela que nos toca diretamente: o Estudo do Artista também nos dá uma ótima oportunidade para complementarmos a nossa própria educação.

         *          *           *

Imagem:

Leonardo Da Vinci, “Dama com Arminho” (1489-1490)

 

*          *          *

Link para artigo inicial sobre o método Charlotte Mason:
(https://educacaoemfamilia.com/2016/07/22/descubra-charlotte-mason-seu-metodo/

Saiba por que você pode (e deve) chamar a sua filha de “princesa”

e1712e4f825b107209f9fd679ddd552a

Recentemente, uma famosa marca de cosméticos resolveu entrar na onda da desconstrução e fez uma campanha para convencer os pais a pararem de chamar as suas filhas de “princesa”. Em linhas gerais, o argumento era que as princesas são retratadas nas histórias infantis como criaturas frágeis, cuja felicidade está sempre nas mãos de terceiros. Na verdade, a ideia nada tem de original. A campanha apenas pegou carona num discurso que já conhecemos de longa data e que está estreitamente comprometido com a pauta da segunda onda feminista.

O incômodo feminista com o fato das meninas se sentirem tão atraídas pela princesa clássica deu origem a uma vasta produção crítica em torno do assunto. O tema tem sido explorado em reportagens, teses acadêmicas, assim como em uma enorme quantidade de livros infantis alternativos que se propõem a “repensar” ou “reconceituar” a personagem. A justificativa alegada  é a de que a princesa encarnaria estereótipos de gênero deletérios para o desenvolvimento subjetivo das meninas, representando a mulher como passiva e dependente. Neste artigo, pretendo demonstrar que tal leitura é não só inconsistente, como também desonesta.

Em primeiro lugar, é importante notar que a crítica feminista tem por objeto, principalmente, o modelo de princesa dos contos de fadas europeus, narrativas herdeiras do folclore camponês medieval, e modernizadas por autores de séculos posteriores. O foco na princesa dos contos de fadas tem um motivo simples: essa heroína arquetípica encanta a imaginação das meninas há várias gerações. O seu apelo mimético é muito forte e, para um feminismo preocupado em formatar a mente e o corações das mulheres, ela é uma verdadeira pedra no sapato. Mas não pelos motivos alegados. Vamos ver.

Observando, com o olhar honesto e atencioso, a estrutura dos contos e as ações da personagem, nada nos autoriza a defini-la como uma mulher de caráter frágil e sem personalidade. Muito pelo contrário. Ora, nos contos de fadas, as princesas são justamente a expressão mais rematada de um ideal de dignidade e nobreza, estando sempre existencialmente inclinadas apenas para o que é bom, justo e verdadeiro. Não há, em sua conduta, nenhum indício de fraqueza moral. Pode, por exemplo, existir personagem feminina mais forte, determinada e decidida do que a Bela? Como atribuir fraqueza a uma personagem que se caracteriza, precisamente, pela retidão moral e pela força interior?

Porém, tão importante quanto perceber na crítica feminista um grave equívoco de interpretação, é notar que esse equívoco não é inocente. Aliás, menos do que um equívoco, trata-se de uma jogada estratégica, cujo intuito é denegrir, junto com a princesa, o conjunto de valores que as suas ações afirmam e expressam. Para se ler um conto de fadas clássico como A Bela e a Fera de modo a concluir que a heroína é uma mulher frágil, passiva e dependente, é preciso, simplesmente, escamotear a mensagem essencial do conto, para em seguida distorcê-la, tornando-a menos atraente. O verdadeiro alvo da crítica à figura da princesa é o ideal de pessoa e de feminilidade que os contos veiculam, com o qual a visão de mundo feminista se choca frontalmente.

As princesas dos contos de fadas são, em geral, adolescentes que, por uma fatalidade do destino, vêem-se subitamente às voltas com uma situação dramática e opressiva. Isoladas e sem apoio, não possuem recursos práticos e eficazes para livrar-se dela. Cinderela passa anos sendo admoestada por uma madrasta má, que a trata como serva; Branca de Neve é odiada e perseguida por uma madrasta assassina, que a inveja por sua beleza; Rapunzel vive numa torre, refém de uma bruxa vingativa; e Bela é prisioneira no castelo de um ser aparentemente monstruoso.

Em todas as narrativas, observamos a ausência estrutural dos pais da moça, estejam eles vivos ou mortos. Não posso tratar a questão em detalhes aqui, mas é importante entender que essa ausência está ligada à passagem da adolescência para a vida adulta, ou seja, do regime de filiação ao de aliança matrimonial, um tema que permeia todos os contos. O fato que nos interessa, porém, é que a heroína, que em breve deve passar do estatuto de filha ao de mãe de família, encontra-se de repente sozinha, desprotegida, em circunstâncias extremamente desfavoráveis.

Diante dessas circunstâncias, todas as personagens demonstram, ao longo das narrativas, um tipo de disposição que só podemos interpretar como reveladora de força de caráter. Enquanto são vítimas da situação, elas a enfrentam com nobreza e retidão. Não se desesperam nem perdem a integridade. São atenciosas e acolhedoras, trabalhadeiras e fiéis aos seus princípios. Jamais se comportam como vítimas, embora de fato o sejam. Nenhuma delas se corrompe, transigindo com o mal que seus antagonistas encarnam. Não perdem a fé, nem tampouco a doçura. Tratam com bondade e consideração todas as criaturas que cruzam o seu caminho, sejam humanos ou animais. Percorrem altivas a sua trajetória dramática – que em alguns casos culmina com uma morte simbólica – até que se abra uma possibilidade de salvamento.

O grau de destaque dado a cada uma dessas qualidades varia de conto para conto. Mas, naquele que é dentre todos o mais sublime, elas estão presentes em conjunto e de maneira absolutamente explícita na pessoa da heroína. Desde o início da história que leva seu nome, Bela se comporta de maneira generosa e altruísta. Enquanto suas irmãs exigem do pai presentes custosos, ela prefere poupá-lo de qualquer sacrifício. Resolve enfrentar a Fera para salvá-lo da morte. Uma vez no castelo da Fera, continua dando mostras de sua grandeza e nobreza de alma. Consegue enxergar a Fera para além das aparências e apaixona-se por ela. Como pode alguém em sã consciência acreditar que este não seja um modelo de pessoa apropriado para uma menina em formação? Por que tamanho incômodo com uma personagem que só faz o bem, só persegue o que é justo, e não pede nada que não lhe pertença de fato?

Chegamos aqui ao nosso ponto. Na verdade, o desconforto feminista com a princesa nada tem de surpreendente, se cotejarmos a sua figura com o ideal de mulher que o feminismo se esforça para propagar: a mulher que nada é capaz de sacrificar em prol daqueles a quem ama. A mulher que, embora se pretenda independente, está permanentemente insatisfeita e disposta a se colocar no lugar de vítima, sempre acusando um terceiro por suas próprias mazelas. A mulher que só pensa em si mesma, ou em si mesma antes de todos, e que não é capaz de entender a diferença entre ser forte e ser individualista.

Outro fator importante, e talvez o mais relevante, é o desfecho das histórias, a saber, o fato de que, ao final, a princesa se casa com um príncipe cuja aparição permite que ela saia do estado liminar em que se encontra. Eu arriscaria dizer que o que mobiliza a crítica feminista não é nem tanto a figura da princesa, e sim a chegada do príncipe parceiro. Se tudo se resolvesse num passe de mágica, com a ajuda de uma fada madrinha, e a moça, após liberta do jugo ou da perseguição do algoz, passasse a reinar soberana em seu próprio castelo, talvez ela não fosse objeto de tanto desprezo. Mas uma mulher e um homem unidos e “felizes para sempre”, tendo ao fundo a expectativa de um projeto familiar…Um final difícil de engolir, para um movimento que, desde os anos sessenta, tem se esforçado para convencer as mulheres de que o casamento, a maternidade e a vida familiar não podem ser fontes de realização feminina.

Pelo menos duas gerações de mulheres já cresceram expostas a esse discurso cultural que hoje em dia é praticamente hegemônico, e que busca induzi-las a relegar a família ao segundo plano de suas vidas, e a acreditar que o sucesso profissional lhes abrirá as portas da felicidade. Se você quer dar à sua filha elementos para se defender dessa narrativa e ampliar os seus horizontes existenciais, faça com que a princesa dos contos de fadas habite o seu imaginário e esteja entre os seus modelos de realização feminina. Essas histórias representam, hoje, um importante elemento de defesa da imaginação de nossas crianças, uma contracultura literária, um antídoto para fazer frente à avalanche de mensagens individualistas e utilitaristas às quais elas estão cotidianamente expostas.

Por tudo isso, não aceite o conselho da marca de cosméticos. Continue chamando a sua filha de “princesa”. Quando um adulto usa esse elogio carinhoso, ele está comunicando à menina, de maneira lírica e esteticamente elevada, que a tem em alta conta, que a considera uma pessoa com qualidades superiores. Se ela for inteligente, o elogio será compreendido e só lhe fará bem.

 

*          *           *

 

Artigos relacionados:

A maternidade e a educação das meninas

Devotamento materno: por que e como não perder o foco?

 

*          *           *

Imagem: 

Edmund Blair Leighton, The Accolade (detalhe), 1901.

A iniciação literária da criança

untitled

A imaturidade linguística e cognitiva da criança pequena não é justificativa para que nos descuidemos da qualidade dos livros que lhe apresentamos. Uma boa educação literária requer, desde o início, atenção à ilustração, à correção do texto, ao vigor da narrativa, e à adequação à faixa etária.

Até os três anos de idade, aproximadamente, a ilustração exerce um papel muito importante como fator de atração. Sua presença deve ser marcante, ocupando toda ou quase toda a página. É importante também que ela represente os objetos do mundo sem distorções exageradas de forma ou proporção. Por isso, devem ser evitadas as ilustrações em estilo psicodélico, cubista, ou excessivamente esquemático. Elas confundem e cansam as crianças pequenas, estimulando-as com formas difíceis de compreender e muitas vezes destituídas de qualquer beleza. Ofereça apenas ilustrações coerentes e belas, relativamente próximas do objeto real.

Um dos principais objetivos da educação literária é contribuir para a formação do imaginário infantil. Se a criança nunca viu um galo e queremos que ela conheça esse animal, ampliando assim o seu repertório de imagens da natureza, de que vale mostrar-lhe um desenho que não representa bem um galo, ou, ainda, como ocorre frequentemente hoje em dia, que distorce e enfeia (propositalmente) a imagem do galo real?

Quanto ao texto, deve ser claro e correto, sem gírias ou palavreado vulgar. Tenha sempre em mente o seguinte. Se o seu filho se interessar pelo livro, ao final, muito provavelmente, pedirá que você o releia, até o ponto de memorizar o conteúdo. As crianças pequenas gostam de desfrutar a mesma história duas, três, dezenas, centenas de vezes. A repetição permite que elas absorvam a narrativa em seu próprio ritmo, dando-lhes tempo, também, para elaborar os sentimentos despertados durante a leitura. Além disso, elas apreciam a expectativa de rever as imagens já conhecidas e de antecipar mentalmente o que será dito em seguida. Essa experiência de previsibilidade auxilia a criança na construção do seu senso de ordem.

A seguir, apresento uma periodização bem simples, que deve ser tomada como um parâmetro e não como uma camisa de força. Você conhece seu filho mais do que ninguém e saberá o momento apropriado para passar de uma etapa a outra.

Dos seis aos dezoito meses
Quando, por volta dos seis meses de idade, o bebê já começa a enxergar praticamente como um adulto, as belas e coloridas ilustrações de um livro podem atraí-lo a ponto de prender seu interesse por alguns minutos. Embora as histórias sejam sempre bem-vindas, nessa fase são particularmente interessantes livros que nomeiam objetos do cotidiano, animais, plantas, lugares, etc, ou seja, aqueles voltados para a ampliação do vocabulário. Geralmente, eles trazem apenas o nome do objeto ilustrado ou repetem o mesmo tipo de frase, a cada página fazendo referência a novos objetos. Por exemplo, “veja a árvore”, “veja a nuvem”, “veja a estrela”. Mesmo que ainda não fale, aos doze meses a criança já é capaz de compreender razoavelmente a língua materna, estando apta a aprender palavras novas a cada dia. Você pode enriquecer a leitura com comentários sobre a beleza das imagens, sobre a presença dos objetos retratados em situações cotidianas, etc.

Nessa faixa etária, a biblioteca não precisa ser muito extensa, pois, como eu já disse, o mesmo livro será lido inúmeras vezes. É importante lembrar também que o bebê ainda não possui recursos psíquicos para lidar com uma variedade grande de estímulos, e pode ficar agitado ou cansado. Por isso os livros devem ser apresentados – lidos e relidos – um de cada vez.

Pode ser que o seu filho demonstre mais interesse por alguns em detrimento de outros. Ótimo! Nas próximas aquisições, você pode usar as preferências dele como critério de escolha.

Dos dezoito meses aos três anos
A partir dos dezoito meses, a criança já está preparada para concentrar a atenção em histórias simples, curtas, sem grandes rodeios, com princípio, meio e fim. Ainda é bom que o texto seja estruturado pela repetição, embora deva ser mais longo do que na fase anterior. É muito interessante também que ele seja ligeiramente musical, no sentido de possuir um ritmo sonoro previsível a cada leitura. Mas, aos poucos, completados os dois anos de idade, já devem ser introduzidas algumas histórias mais extensas e lineares, preparando a criança para a próxima etapa de sua educação literária, em que a narrativa ganhará cada vez mais relevância.

Os personagens da moda, que a criança eventualmente já aprecie, podem funcionar como atrativos para aproximá-la dos livros. Mas o objetivo da literatura é ampliar o universo linguístico e existencial da criança, formando uma rica e abrangente coleção de imagens mentais.  Por isso, a popularidade do personagem não deve ser critério de escolha. Em geral, os livros que trazem personagens de filmes e desenhos animados são produzidos sem atenção genuína às necessidades do desenvolvimento infantil. Eles possuem um caráter mais comercial, e deixam muito a desejar em termos de qualidade literária.

Evite também os livros que têm por objetivo imediato estimular algum tipo de comportamento rotineiro. Por exemplo, aqueles que ensinam a usar o penico, a escovar os dentes, e outras coisas do gênero. Assuma, corajosa e pessoalmente, a tarefa de criar bons hábitos em seu filho. Esse papel é seu. Deixe a literatura encantar o dia-a-dia, alimentar o imaginário e aumentar o repertório moral e cultural da criança.

Por fim, além de apresentar ilustração e texto de qualidade, um bom livro para a primeira infância deve respeitar a criança como um ser vulnerável e em formação, que precisa acreditar na existência da beleza, da justiça e da ordem. Estamos aqui falando de crianças pequenas, e não há nada mais importante nessa fase do que fazê-las se sentirem seguras. Por isso, por mais que a narrativa possa conter surpresas e gerar expectativas, no final é importante que tudo esteja em seu devido lugar.

*       *       *

Imagem:

Jessie Willcox Smith (1863-1935), “My First Picture Book”.

Quais são as histórias clássicas que seu filho precisa conhecer?

299px-pierre-auguste_renoir_120

A literatura clássica para crianças é muito vasta. Mas, por volta dos cinco anos de idade, ele já pode ser apresentado a três gêneros incontornáveis: os contos de fadas, as fábulas e a obra de Monteiro Lobato. São histórias que, a um só tempo, maravilham as crianças, enriquecem o seu imaginário, e conduzem-nas suavemente na direção de valores que nos são caros, como a generosidade, a justiça e a beleza.

Os Contos de Fadas

Os Contos de Fadas têm origem no folclore medieval europeu. Ambientados em castelos, florestas ou pequenas aldeias, são povoados por fadas boas e bruxas más, aristocratas e plebeus, animais falantes e outros seres fantásticos que se relacionam com os humanos e contribuem, por meio de estratagemas ou encantamentos, para transformar o seu destino.

As narrativas orais dos camponeses medievais começaram a ser transpostas para a forma escrita a partir do século XII, mas foi com autores modernos como Charles Perrault (século XVII) e os irmãos Grimm (séculos XVIII/XIX) que elas adquiriram a feição que conhecemos hoje. As histórias originais eram mais violentas e trágicas do que as que contamos às nossas crianças. No processo de fixação dos contos na forma escrita, certos aspectos dos enredos e dos personagens foram sendo suavizados para se adaptar à sensibilidade urbana do leitor moderno.

Contudo, as histórias continuam muito atuais, pois tratam de temas centrais da experiência humana, como a angustiosa transição da infância para a vida adulta, o ciúme entre irmãos, a inveja da beleza, da riqueza e do sucesso, etc. Na maioria delas, o núcleo da narrativa é um conflito existencial: o herói ou a heroína buscam algum tipo de realização pessoal. No caminho, eles encontram obstáculos terríveis que precisam transpor.

Os contos de fadas cumprem ainda a importante função de acalmar a ansiedade infantil em relação à existência do perigo e do mal no mundo. O Bem e o Mal são apresentados de forma dicotômica, absoluta e explícita, permitindo às crianças trabalhar sua angústia de forma construtiva e otimista – porque nessas histórias, o Bem quase sempre vence. Os contos permitem, assim, à criança, organizar suas percepções e sentimentos, ao mesmo tempo em que ela é apresentada a arquétipos importantes da tradição ocidental.

51ydyx637xl
“Meu Primeiro Livro de Contos de Fadas”,       Mary Hoffman, Cia das Letrinhas.

As Fábulas

As fábulas são portadoras de uma tradição ainda mais longa do que a dos contos de fadas. Com elas, recuamos até o tempo da Grécia Antiga.

Trata-se de pequenas composições literárias protagonizadas na maioria dos casos por animais, e cujo desfecho contém um ensinamento sobre a vida, o comportamento humano e a realidade do mundo. Quem não conhece a história da cigarra que passou o verão cantando e no inverno teve que pedir abrigo à formiga trabalhadeira e avarenta, que havia juntado provisões para o inverno e se recusava a dar? Ou a da lebre convencida que, achando que a corrida estava ganha, foi tirar um cochilo e, quando acordou, havia sido ultrapassada pela lenta, porém obstinada, tartaruga?

Pois bem, também são histórias de origem popular supostamente escritas pelo fabulista grego Esopo, que teria vivido há mais de 2500 anos atrás. Elas eram tão conhecidas e valorizadas na Grécia, que sua função educativa chegou a ser citada por Platão e Aristóteles. E o mais incrível é que, assim como ocorre com os contos de fadas, o seu conteúdo continua absolutamente atual. Posteriormente, no século XVII, as fábulas de Esopo foram recontadas pelo francês Jean de La Fontaine.

Embora sejam em sua maioria animais, os personagens dessas histórias apresentam qualidades e defeitos tipicamente humanos. Por isso, La Fontaine dizia que a fábula “é uma pintura em que cada um de nós pode encontrar seu próprio retrato.” Sua leitura enriquece o imaginário e a compreensão da criança sobre as circunstâncias de sua vida, sobre ela mesma e sobre as pessoas que a cercam.

Há muitas adaptações de Esopo e La Fontaine no mercado brasileiro de literatura infantil. Mas as fábulas requerem um trabalho maior de mediação da parte do adulto. Como elas envolvem ensinamentos bem específicos, é preciso muitas vezes explicitar a moral da história para a criança. E há também as fábulas escritas por autores modernos, de mais fácil assimilação, como Os Três Porquinhos, de Joseph Jacobs, e O Patinho Feio, de Hans Christian Andersen.

esopo1esopo 2

A literatura infantil de Monteiro Lobato

Depois de ter algum contato com esses dois gêneros literários, as crianças já podem ser apresentadas à obra de Monteiro Lobato (1882-1948). Trata-se de um hiper-clássico brasileiro cujas histórias arrebatam a atenção dos pequenos há várias décadas. O livro Reinações de Narizinho, que foi publicado em 1931, serve de marco inicial para a série “Sítio do Pica-Pau Amarelo“, que contém 23 volumes. As histórias do “Sítio” agregam elementos do nosso próprio folclore ao imaginário fantástico de animais falantes e fadas madrinhas. Ou seja, elas enriquecem a imaginação infantil com um toque genial de brasilidade.

Monteiro Lobato é interessante e incontornável por si só, mas além da qualidade intrínseca da obra, sua leitura estimula as crianças a empreenderem outras aventuras literárias mais tarde. Por exemplo, Peter Pan e Dom Quixote, que intitulam volumes do Sítio, podem posteriormente ser visitados em boas adaptações dos originais para o público infantil. O mesmo podemos dizer de O Minotauro e Os Doze Trabalhos de Hércules, que podem motivar a introdução da mitologia grega no repertório de clássicos da criança.

narizinho1os-doze-trabalhos-de-hercules-monteiro-lobato-8525047775_200x200-PU6e6afac9_1

Com essa lista de leituras tão divertidas quanto indispensáveis, seu filho vai desenvolver o gosto pela boa literatura e adquirir uma bagagem cultural que o acompanhará pelo resto da vida.

Em geral, as crianças estão prontas para o contato com essa rica literatura, na versão “original”, a partir dos cinco anos de idade, aproximadamente. Mas cada caso é um caso. De todo modo, completados os três anos, elas já podem ser apresentadas a versões simplificadas e condensadas das fábulas e dos contos de fadas.

Por fim, sugiro que você reserve um horário para ler diariamente para o seu filho. Que tal à noite, antes de dormir, para que os seus sonhos sejam alimentados pelas imagens maravilhosas que ele vai absorver? Esses momentos de atenção e intimidade ficarão guardados para sempre em sua memória afetiva

*          *          *

Imagem do topo:

Pierre-Auguste Renoir (1841-1919), “Portrait de Jean et Geneviève Caillebotte“. 

Por que as crianças precisam ouvir histórias clássicas?

1c5f4893a282b897a01e522b3daf4cf7

Ter acesso à boa literatura desde a mais tenra idade é fundamental para a estruturação do pensamento, a formação do imaginário e o desenvolvimento da linguagem compreensiva e expressiva. Isso todo mundo já sabe. Pouco se fala, porém, de um segundo benefício da literatura para a formação pessoal: a educação dos sentimentos.

Bons livros nos transportam para outros tempos e lugares. Eles nos dão oportunidade de vivenciar outras vidas e outras subjetividades. Conhecemos formas de agir e sentir que muitas vezes nem suspeitávamos, expandindo a nossa imaginação afetiva e os nossos horizontes existenciais. Isso nos torna mais autoconscientes e mais capazes de compreender os outros. Em suma, a literatura pode nos tornar pessoas melhores, mais bem preparadas para os relacionamentos da vida.

As crianças adoram ouvir histórias, pois a sua capacidade de se deixar envolver e levar por outras possibilidades existenciais é praticamente ilimitada. Nessa fase de extrema abertura imaginativa, é muito importante que os adultos lhes contem histórias que possam, ao mesmo tempo, dar asas à sua imaginação e ampliar o seu conhecimento do mundo.

Mas como selecionar a boa literatura dentre a enorme quantidade de livros publicados a cada dia, grande parte sem nenhuma qualidade? Em outras palavras: o que devemos ler para as nossas crianças?

A boa literatura infantil não se resume, obviamente, às histórias que já se tornaram clássicas. Há ótimos títulos contemporâneos no mercado editorial. Mas a melhor estratégia é garantir que seu filho tenha contato com os clássicos já consagrados, enquanto, paralelamente, você seleciona dentre os autores contemporâneos aqueles que merecem ocupar o seu tempo e o seu imaginário.

Por que privilegiar os clássicos? Primeiro porque as obras de literatura clássica resistiram à ação das mudanças sociais e atravessaram gerações mantendo o seu poder de atração, seja por milênios, séculos ou décadas. A literatura clássica é aquela que não sai de moda. E ela permanece porque, ao captar, fixar e revelar algo de essencial acerca da natureza humana, transcende a sua própria época.

O segundo motivo que torna a literatura clássica incontornável para uma boa educação é que ela transmite às novas gerações o repertório cultural preservado pela tradição. Ali está condensado todo um esforço de observação e compreensão da vida humana por parte de pessoas de rara sensibilidade e capacidade de expressão. Por isso, como disse o escritor italiano Ítalo Calvino, “um clássico constitui uma riqueza para quem o lê.”

O mundo da literatura clássica infantil é muito vasto, mas há três gêneros incontornáveis, que podem fazer parte da experiência literária das crianças a partir dos 3 anos de idade: as fábulas, os contos de fadas, e a obra de Monteiro Lobato. Não perca a próxima postagem. Vou falar sobre cada um desses gêneros de literatura infantil e trazer uma série de dicas de como tornar mais produtiva a leitura de cada um deles.

*          *          *

Mas, antes de finalizar, quero falar uma última coisa. Quando tomamos a decisão de nos envolver pessoalmente com a educação literária de nossos filhos, assumindo-a como uma tarefa prioritária, muitas vezes nos deparamos com lacunas importantes em nossa própria formação. Diante da constatação de que não temos conhecimento suficiente para orientá-los adequadamente, há duas atitudes possíveis.

A primeira, e infelizmente a mais frequente, é responsabilizar nossos pais e professores, e em seguida cruzar os braços, como se o problema não nos pertencesse. Isso obviamente não leva ninguém a lugar nenhum. A segunda atitude, mais honesta e sábia, é assumir pessoalmente a tarefa de complementar a nossa própria educação.
Se você acha que a sua educação literária foi deficiente, não se sinta só. Este é o caso de todos, ou quase todos, os pais e mães brasileiros que começam a atentar para a necessidade de guiar seus filhos pelo universo dos livros. Deixo aqui, para você, um link que leva a uma lista de 100 obras de literatura clássica mundial (clique aqui). É só decidir por onde você prefere começar.
*          *           *

Imagem:

Jessie Willcox Smith (1863-1935) , “A Rainy Day”.

A defesa do imaginário

Já falei aqui no blog do quanto é importante que os pais realizem um trabalho de cultivo do imaginário de seus filhos, propiciando o contato das crianças com a natureza, a arte e a literatura. Agora quero falar sobre outro tipo de cuidado, complementar e tão importante quanto o de cultivo: o trabalho de defesa. Como diz o prof. Francisco Escorsim, especialista no assunto, defender o imaginário infantil nunca foi tão necessário e urgente.

unknown

Uma fração significativa do tempo das crianças urbanas de todas as camadas sociais é passada diante da televisão ou dos aparelhos eletrônicos digitais (computadores, smartphones, tablets, etc). Sem nenhuma proteção, e por horas a fio, elas absorvem imagens de qualidade ética e estética muito discutível, pelo menos em boa parte dos casos. Ora, não é novidade para ninguém que o objetivo da programação dessas mídias é precisamente o de mantê-las focadas na tela pelo maior tempo possível. A interferência dos pais se torna, assim, absolutamente necessária.

Porém, antes de falar mais especificamente das mídias eletrônicas, é preciso lembrar duas coisas. A primeira é que defender o imaginário de seu filho não significa controlar inteiramente os seus caminhos. Em alguma medida, a imaginação de qualquer criança será inevitavelmente afetada pela cultura de sua própria geração. Para o bem ou para o mal.

O segundo ponto importante é que cada criança, como pessoa única e singular, reage individualmente aos estímulos que recebe do mundo. Sendo assim, a relação que uma criança estabelece com as mídias eletrônicas não depende somente do desempenho educativo de seus pais. Porém, se os pais não estiverem dispostos a cuidar desse assunto e não realizarem um bom trabalho de mediação, ela ficará mais exposta à influência daqueles que querem torná-la um consumidor dependente e acrítico. Ou seja, é precisamente sobre a medida dessa influência externa que podemos e devemos atuar com nosso trabalho de defesa.

A televisão

Permitir que crianças pequenas assistam livremente à programação televisiva voltada para o público adulto é uma espécie de abandono moral. Porém, mesmo nos casos em que a criança assiste somente à programação infantil, os pais precisam estar atentos à quantidade de tempo passado diante da tela e à adequação dos programas assistidos.

Quanto ao conteúdo dos programas, é importante observar, de um lado, os valores transmitidos; de outro, a qualidade do texto, da linguagem, das imagens, e da trilha sonora, assim como o ajuste de todos esses elementos à faixa etária da criança. Há obviamente canais melhores e piores. E embora possamos encontrar alguns programas e desenhos em que esses elementos são reunidos com talento e sensibilidade às necessidades da infância, infelizmente isso não é verdade para a maioria.

Além da questão do conteúdo, há também o problema do ritmo e da sequência de apresentação dos programas. Geralmente, eles são encadeados de maneira caótica, intercalados com comerciais de produtos e chamadas para outros programas. Desse modo, num curto espaço de tempo, a criança assistirá a vários programas e desenhos diferentes, além de comerciais de produtos e vinhetas que remetem a outros programas. Isso contribui mais para a criação de um estado de confusão mental do que para o desenvolvimento do senso de ordem e da capacidade de conferir sentido ao mundo.

Mas, como fazer essa mediação? Em primeiro lugar, escolhendo pessoalmente os programas a que seu filho vai assistir. Você pode selecionar previamente o que considera apropriado nas ferramentas de busca da TV a cabo. Outra boa alternativa à programação oficial é adquirir DVDs ou BRDs com os desenhos, animações e filmes preferidos da criança, e que você considere adequados. Desse modo, ainda evita sua exposição à propaganda inconveniente.

Em resumo, você decide o que seu filho vai ver, seleciona o material e estabelece as regras de disponibilização. Essa estratégia também possibilita que a própria criança dite o ritmo em que os programas serão assistidos e assimilados. Ela pode ver o mesmo programa quantas vezes quiser, concentrando-se e apreendendo melhor os detalhes da história.

Até os 3 ou 4 anos de idade, esse controle estrito é perfeitamente viável, dependendo somente de os pais estarem dispostos a dedicar uma parte de seu tempo a essa tarefa. Passados os primeiros anos, porém, o trabalho de mediação pode se tornar delicado. Estando mais permeável às influências externas (principalmente dos amiguinhos da escola), a criança talvez comece a manifestar o desejo de assistir a programas que não atendam os critérios de qualidade pré-estabelecidos pelos pais. Nesse caso, é preciso avaliar o teor da concessão, e decidir se as regras podem ou não ser flexibilizadas.

Os aparelhos eletrônicos digitais

Em relação à internet e às redes sociais, a única estratégia segura é jamais permitir que as crianças naveguem sem a supervisão de um adulto, pois elas não têm maturidade para se defender das imagens a que ficam ali eventualmente expostas. Sobre os jogos eletrônicos, quanto mais tempo você puder adiar o momento de acesso regular, tanto melhor. Mas seja qual for a sua decisão a respeito, a única forma de lidar com a presença deles na rotina da criança é estabelecer regras claras acerca do seu uso: que jogos seu filho pode jogar, quantas vezes por semana, e quanto tempo por dia.

Diante de uma tela de celular, tablet, ou computador, a criança absorve um imenso e caótico conjunto de imagens fragmentadas, esteticamente pobres e apresentadas com uma velocidade estonteante. Imagens que, ao invés de ampliar os seus horizontes mentais, acabam por turvá-los. Durante esse tempo, ela perde o contato com a realidade, alienando-se de tudo o que se passa ao redor. Além disso, os jogos eletrônicos deixam a criança agitada e cansada, e tiram a qualidade do sono. Por isso, não basta selecioná-los. É preciso também limitar o tempo que lhes será dedicado. Quando os pais não exercem esse tipo de controle, as crianças tendem a exagerar na dose. E deixam de realizar outras atividades importantes para o seu desenvolvimento e para a formação de um imaginário rico e abrangente.

*          *          *

Imagem: Steven Adams, Via Imagina

Fonte: ideaplex.com.br