Saiba por que você pode (e deve) chamar a sua filha de “princesa”

e1712e4f825b107209f9fd679ddd552a

Recentemente, uma famosa marca de cosméticos resolveu entrar na onda da desconstrução e fez uma campanha para convencer os pais a pararem de chamar as suas filhas de “princesa”. Em linhas gerais, o argumento era que as princesas são retratadas nas histórias infantis como criaturas frágeis, cuja felicidade está sempre nas mãos de terceiros. Na verdade, a ideia nada tem de original. A campanha apenas pegou carona num discurso que já conhecemos de longa data e que está estreitamente comprometido com a pauta da segunda onda feminista.

O incômodo feminista com o fato das meninas se sentirem tão atraídas pela princesa clássica deu origem a uma vasta produção crítica em torno do assunto. O tema tem sido explorado em reportagens, teses acadêmicas, assim como em uma enorme quantidade de livros infantis alternativos que se propõem a “repensar” ou “reconceituar” a personagem. A justificativa alegada  é a de que a princesa encarnaria estereótipos de gênero deletérios para o desenvolvimento subjetivo das meninas, representando a mulher como passiva e dependente. Neste artigo, pretendo demonstrar que tal leitura é não só inconsistente, como também desonesta.

Em primeiro lugar, é importante notar que a crítica feminista tem por objeto, principalmente, o modelo de princesa dos contos de fadas europeus, narrativas herdeiras do folclore camponês medieval, e modernizadas por autores de séculos posteriores. O foco na princesa dos contos de fadas tem um motivo simples: essa heroína arquetípica encanta a imaginação das meninas há várias gerações. O seu apelo mimético é muito forte e, para um feminismo preocupado em formatar a mente e o corações das mulheres, ela é uma verdadeira pedra no sapato. Mas não pelos motivos alegados. Vamos ver.

Observando, com o olhar honesto e atencioso, a estrutura dos contos e as ações da personagem, nada nos autoriza a defini-la como uma mulher de caráter frágil e sem personalidade. Muito pelo contrário. Ora, nos contos de fadas, as princesas são justamente a expressão mais rematada de um ideal de dignidade e nobreza, estando sempre existencialmente inclinadas apenas para o que é bom, justo e verdadeiro. Não há, em sua conduta, nenhum indício de fraqueza moral. Pode, por exemplo, existir personagem feminina mais forte, determinada e decidida do que a Bela? Como atribuir fraqueza a uma personagem que se caracteriza, precisamente, pela retidão moral e pela força interior?

Porém, tão importante quanto perceber na crítica feminista um grave equívoco de interpretação, é notar que esse equívoco não é inocente. Aliás, menos do que um equívoco, trata-se de uma jogada estratégica, cujo intuito é denegrir, junto com a princesa, o conjunto de valores que as suas ações afirmam e expressam. Para se ler um conto de fadas clássico como A Bela e a Fera de modo a concluir que a heroína é uma mulher frágil, passiva e dependente, é preciso, simplesmente, escamotear a mensagem essencial do conto, para em seguida distorcê-la, tornando-a menos atraente. O verdadeiro alvo da crítica à figura da princesa é o ideal de pessoa e de feminilidade que os contos veiculam, com o qual a visão de mundo feminista se choca frontalmente.

As princesas dos contos de fadas são, em geral, adolescentes que, por uma fatalidade do destino, vêem-se subitamente às voltas com uma situação dramática e opressiva. Isoladas e sem apoio, não possuem recursos práticos e eficazes para livrar-se dela. Cinderela passa anos sendo admoestada por uma madrasta má, que a trata como serva; Branca de Neve é odiada e perseguida por uma madrasta assassina, que a inveja por sua beleza; Rapunzel vive numa torre, refém de uma bruxa vingativa; e Bela é prisioneira no castelo de um ser aparentemente monstruoso.

Em todas as narrativas, observamos a ausência estrutural dos pais da moça, estejam eles vivos ou mortos. Não posso tratar a questão em detalhes aqui, mas é importante entender que essa ausência está ligada à passagem da adolescência para a vida adulta, ou seja, do regime de filiação ao de aliança matrimonial, um tema que permeia todos os contos. O fato que nos interessa, porém, é que a heroína, que em breve deve passar do estatuto de filha ao de mãe de família, encontra-se de repente sozinha, desprotegida, em circunstâncias extremamente desfavoráveis.

Diante dessas circunstâncias, todas as personagens demonstram, ao longo das narrativas, um tipo de disposição que só podemos interpretar como reveladora de força de caráter. Enquanto são vítimas da situação, elas a enfrentam com nobreza e retidão. Não se desesperam nem perdem a integridade. São atenciosas e acolhedoras, trabalhadeiras e fiéis aos seus princípios. Jamais se comportam como vítimas, embora de fato o sejam. Nenhuma delas se corrompe, transigindo com o mal que seus antagonistas encarnam. Não perdem a fé, nem tampouco a doçura. Tratam com bondade e consideração todas as criaturas que cruzam o seu caminho, sejam humanos ou animais. Percorrem altivas a sua trajetória dramática – que em alguns casos culmina com uma morte simbólica – até que se abra uma possibilidade de salvamento.

O grau de destaque dado a cada uma dessas qualidades varia de conto para conto. Mas, naquele que é dentre todos o mais sublime, elas estão presentes em conjunto e de maneira absolutamente explícita na pessoa da heroína. Desde o início da história que leva seu nome, Bela se comporta de maneira generosa e altruísta. Enquanto suas irmãs exigem do pai presentes custosos, ela prefere poupá-lo de qualquer sacrifício. Resolve enfrentar a Fera para salvá-lo da morte. Uma vez no castelo da Fera, continua dando mostras de sua grandeza e nobreza de alma. Consegue enxergar a Fera para além das aparências e apaixona-se por ela. Como pode alguém em sã consciência acreditar que este não seja um modelo de pessoa apropriado para uma menina em formação? Por que tamanho incômodo com uma personagem que só faz o bem, só persegue o que é justo, e não pede nada que não lhe pertença de fato?

Chegamos aqui ao nosso ponto. Na verdade, o desconforto feminista com a princesa nada tem de surpreendente, se cotejarmos a sua figura com o ideal de mulher que o feminismo se esforça para propagar: a mulher que nada é capaz de sacrificar em prol daqueles a quem ama. A mulher que, embora se pretenda independente, está permanentemente insatisfeita e disposta a se colocar no lugar de vítima, sempre acusando um terceiro por suas próprias mazelas. A mulher que só pensa em si mesma, ou em si mesma antes de todos, e que não é capaz de entender a diferença entre ser forte e ser individualista.

Outro fator importante, e talvez o mais relevante, é o desfecho das histórias, a saber, o fato de que, ao final, a princesa se casa com um príncipe cuja aparição permite que ela saia do estado liminar em que se encontra. Eu arriscaria dizer que o que mobiliza a crítica feminista não é nem tanto a figura da princesa, e sim a chegada do príncipe parceiro. Se tudo se resolvesse num passe de mágica, com a ajuda de uma fada madrinha, e a moça, após liberta do jugo ou da perseguição do algoz, passasse a reinar soberana em seu próprio castelo, talvez ela não fosse objeto de tanto desprezo. Mas uma mulher e um homem unidos e “felizes para sempre”, tendo ao fundo a expectativa de um projeto familiar…Um final difícil de engolir, para um movimento que, desde os anos sessenta, tem se esforçado para convencer as mulheres de que o casamento, a maternidade e a vida familiar não podem ser fontes de realização feminina.

Pelo menos duas gerações de mulheres já cresceram expostas a esse discurso cultural que hoje em dia é praticamente hegemônico, e que busca induzi-las a relegar a família ao segundo plano de suas vidas, e a acreditar que o sucesso profissional lhes abrirá as portas da felicidade. Se você quer dar à sua filha elementos para se defender dessa narrativa e ampliar os seus horizontes existenciais, faça com que a princesa dos contos de fadas habite o seu imaginário e esteja entre os seus modelos de realização feminina. Essas histórias representam, hoje, um importante elemento de defesa da imaginação de nossas crianças, uma contracultura literária, um antídoto para fazer frente à avalanche de mensagens individualistas e utilitaristas às quais elas estão cotidianamente expostas.

Por tudo isso, não aceite o conselho da marca de cosméticos. Continue chamando a sua filha de “princesa”. Quando um adulto usa esse elogio carinhoso, ele está comunicando à menina, de maneira lírica e esteticamente elevada, que a tem em alta conta, que a considera uma pessoa com qualidades superiores. Se ela for inteligente, o elogio será compreendido e só lhe fará bem.

 

*          *           *

 

Artigos relacionados:

A maternidade e a educação das meninas

Devotamento materno: por que e como não perder o foco?

 

*          *           *

Imagem: 

Edmund Blair Leighton, The Accolade (detalhe), 1901.

A educação feminista e a desfeminilização das meninas

mar 2

Como já sugeri nos dois artigos anteriores, o propósito mais pervasivo da chamada “ideologia de gênero” é promover a dissolução das noções de feminino e masculino, minando o padrão conjugal de complementariedade entre os sexos. O programa consiste, basicamente, em desfeminilizar as meninas e desvirilizar os meninos. Neste artigo, vou tratar especificamente do caso das meninas, que estão sendo expostas sem nenhuma defesa a uma torrente de mensagens desfeminilizantes vindas da mídia, da escola, e da indústria cultural. No final das contas, descontados todos os vernizes e recadinhos secundários, o conteúdo dessas mensagens é o seguinte: “para que sua existência seja validada pela sociedade, você precisa abrir mão de sua feminilidade.”

Um dos alvos prioritários desse discurso é a escolha da profissão. É bem sabido que as mulheres têm as suas carreiras prediletas. Em geral, predominam as profissões ligadas à docência e à saúde, à organização doméstica, ao cuidado de terceiros, e ao atendimento ao público em geral. Obviamente, nem todas as mulheres se encaixam nesse esquema. E, embora haja também áreas profissionais atraentes para ambos os sexos, a diferenciação vocacional é uma realidade inquestionável, que pode ser explicada pelo simples fato de homens e mulheres serem diferentes.

Os promotores da ideologia de gênero insistem, porém, que a maior propensão das mulheres a buscar preferencialmente certas atividades resulta de um modelo de educação machista e impositivo, que as levaria a se conformar aos “estereótipos femininos tradicionais”. Ora, um tal raciocínio seria válido se estivéssemos discutindo casos como o das meninas da Índia, do Paquistão, da China ou da maioria dos países muçulmanos. Mas no Ocidente contemporâneo, principalmente nas zonas urbanas, esse viés já não existe há muito tempo. Ao contrário, todo o esforço da escola e da mídia, ao longo das últimas décadas, tem sido no sentido de borrar as diferenças entre os sexos e tratá-los como perfeitamente intercambiáveis. Ou seja, o que vem ocorrendo é o oposto do que quer nos fazer crer esse discurso vitimista.

As meninas vêm sendo bombardeadas, de longa data, com uma intensa propaganda feminista cujo objetivo é lhes convencer não só de que devem colocar a vida profissional no centro de suas atenções, como também de que as profissões tidas como masculinas são mais interessantes que as outras. E, ainda assim, a maioria continua buscando profissões tradicionalmente femininas. O velho e batido argumento de que somos eternas vítimas de um sistema social opressor, que restringe as nossas opções, cai por terra à luz dos fatos reais.

O caso dos países nórdicos é particularmente exemplar. Em 2008, a Noruega foi eleita o primeiro país do mundo em igualdade de oportunidades para homens e mulheres. Trata-se da educação mais igualitária do mundo. Mas, como bem demonstrou o jornalista Harald Eia no documentário “O Paradoxo da Igualdade”, apesar de todos os esforços no sentido de se eliminar qualquer fator material ou simbólico que possa infletir as escolhas de futuro dos estudantes, apenas 10% dos enfermeiros noruegueses são homens, ao passo que apenas 10% dos engenheiros são mulheres. Ou seja, as escolhas profissionais das mulheres norueguesas não podem ser explicadas por nenhum tipo de discriminação.

Mas a forma especificamente feminina de estar no mundo não se atualiza apenas na escolha da profissão. Ela se revela também no tipo de relação que as mulheres estabelecem com a carreira. Mesmo quando exercem profissões tidas como masculinas, elas costumam colocar mais limites do que os homens à quantidade de tempo e de energia que disponibilizarão para o trabalho fora de casa. E isso porque sabem que as suas possibilidades de realização existencial plena dependem de serem capazes de construir um lar estruturado e harmônico. A verdade é que a maioria das mulheres não quer abrir mão de cuidar pessoalmente dos filhos, mesmo que a profissão seja um aspecto importante de suas vidas.

Qualquer pessoa esclarecida sabe que a coletividade só tem a ganhar com a presença e a atuação das mulheres na esfera pública. Foi com isso em vista que, no final do século XIX e início do XX, mulheres corajosas e inteligentes lideraram, na Europa e nos Estados Unidos, movimentos em prol da ampliação dos direitos e dos espaços de atuação social femininos. Porém, estando em perfeita sintonia com a perspectiva das mulheres que representavam, as primeiras “feministas” sabiam que as conquistas femininas precisavam ser conciliáveis com as conveniências da vida familiar. Caso contrário, não seriam conquistas, e sim mera permuta infeliz de papéis. Duas coisas fundamentais eram levadas em consideração. Primeiro, o fato das crianças precisarem da atenção de suas mães. Segundo, que parte significativa do bem-estar subjetivo das mulheres está atrelada às suas obrigações morais para com a família.

A partir dos anos 60, porém, houve uma ruptura e uma mudança de rumo. Com o respaldo intelectual de figuras então já consagradas, como a filósofa francesa Simone de Beauvoir, o chamado “feminismo da segunda onda” abraçou falsos pressupostos, dos quais o mais nocivo era o de que cuidar dos filhos representa uma atividade menor. Em “O Segundo Sexo”, Beauvoir afirmou que a maternidade é uma espécie de maldição que pesa sobre a mulher, tornando-a “escrava da espécie” e confinando-a ao domínio da imanência. Ela desprezava a vocação materna com todas as suas forças e acreditava que qualquer possibilidade de transcendência feminina dependia da saída e do abandono do lar. Em certa ocasião, esse ícone do feminismo foi capaz de dizer a seguinte frase: “Nenhuma mulher deveria ser autorizada a ficar em casa e criar os filhos. A sociedade deveria ser totalmente diferente. As mulheres não deveriam ter essa escolha, precisamente porque se a tiverem, muitas vão fazer isso.”

Guardadas algumas pequenas diferenças individuais que não afetavam o conjunto da obra, as feministas da segunda onda comungavam dessa visão estreita de liberdade feminina e nutriam a mesma aversão à maternidade e ao trabalho doméstico. Elas ignoraram por completo, ou fingiram ignorar, o aporte de inteligência, vigor e inspiração necessário ao trabalho cotidiano de uma boa mãe. Não compreenderam que não pode haver maior expressão de poder criativo do que fomentar, dia após dia, noite após noite, durante anos a fio, a existência de outro ser. Aliás, elas não foram nem sequer capazes de enxergar a maternidade como uma responsabilidade social de amplas consequências. E assim, com base na opinião de mulheres nada razoáveis, que projetaram a imagem de uma nova sociedade movidas pelos seus ressentimentos em relação aos homens, e olhando apenas para o seu próprio umbigo, foi construída uma ideologia política falaciosa, individualista e autoritária.

Ao tratar a maternidade como um fardo e atacar a figura da “mãe de família”, o feminismo se distanciou do universo feminino e fechou os olhos, de maneira covarde e perversa, para as necessidades das crianças. Fez estragos significativos na vida de pelo menos duas gerações de mulheres, transformando-as em pessoas angustiadas, existencialmente partidas, que correm atrás de um prejuízo que na verdade não precisavam ter tido. A boa notícia é que mesmo tendo sido impregnadas conceitualmente pelos slogans e palavras de ordem feministas, e a despeito de toda a tensão introduzida em suas vidas, a maioria das mulheres ainda mantêm o coração conectado ao projeto familiar, mesmo que de maneira um tanto quanto aflita. Por outro lado, não podemos deixar nos perguntar: até quando a feminilidade resistirá a tantas forças antagônicas?

Nos últimos anos, temos assistido a uma intensificação do proselitismo feminista em novas bases, com a introdução da ideologia de gênero no domínio da educação das crianças. Talvez pelo fato do discurso da auto vitimização e da acusação aos homens não ter sido suficiente para tirar as mulheres da rota do casamento e da família, a estratégia foi modificada e aprofundada. Na pauta feminista atual, influenciada pelo desconstrucionismo radical de autores ligados ao Movimento Queer, como Judith Butler, inclui-se o objetivo de solapar os próprios fundamentos da auto identificação sexual das meninas, privando-as do acesso a conceitos, imagens e símbolos que lhes permitam dar sentido cultural e expressar de maneira positiva a sua condição feminina.

Essa agenda está em andamento. Em muitos lugares, as meninas já não têm mais modelos positivos de feminilidade para imitar. Não podem mais se vestir de princesa, cuidar da boneca ou brincar de casinha sem que isso seja politicamente problematizado. Não devem dizer que sonham em se casar e ter filhos, sob pena de serem ridicularizadas. Só têm acesso a formas de literatura que questionem os chamados “estereótipos tradicionais”. E estão crescendo sem recursos cognitivos e culturais que lhes possibilitem desenvolver uma percepção clara de si mesmas como meninas e futuras mulheres. Aliás, em algumas escolas, já não se usa mais pronomes femininos para se referir a elas. Com tantas mensagens e injunções contrárias, é bem possível que um dia, de tão sufocada, a sua feminilidade natural já não tenha mais forças para emergir e direcionar suas escolhas.

 

Artigos relacionados:

A maternidade e a educação das meninas

Devotamento materno: por que e como não perder o foco?

 

*          *          *

Imagem:

“The Flower Girl”, Jules Cyrille Cave, 1897.

 

 

 

A maternidade e a educação das meninas

download

Em um artigo anterior, publicado aqui no blog e intitulado Devotamento Materno, falei do despreparo das mulheres ocidentais contemporâneas para a maternidade. Mostrei que boa parte do problema reside no fato de estarmos imersas numa cultura individualista, utilitarista e hedonista, que nos infantiliza e estimula a acreditar que o sentido da vida consiste em satisfazer todos os nossos desejos. Num clima moral como esse, evidentemente sobrará muito pouco espaço para o devotamento materno.

Cuidar de um filho e dispensar a ele toda a atenção necessária requer uma boa dose de abnegação. Acontece que fomos acostumadas a pensar em nós mesmas como incapazes de sacrificar prazeres e satisfações imediatas em prol de um projeto que desafie as nossas forças e nos transcenda. E por isso ficamos desnorteadas quando a experiência da maternidade nos chega com toda a sua realidade, sem os adornos românticos dos comerciais de televisão, e exigindo que deixemos o nosso mundinho auto referenciado para propiciar a existência de outrem.

Mas a questão não se resume à dificuldade de integrar essa experiência a uma configuração existencial frágil e imatura. Há também um despreparo de ordem prática, que diz respeito aos saberes e afazeres envolvidos na atividade materna. Ora, os conceitos, habilidades e técnicas implicados na criação de um filho não surgem, como num passe de mágica, junto com a criança. Antigamente, as meninas os adquiriam intuitivamente, observando suas mães, tias e vizinhas, e ajudando-as na lida com as crianças menores. Esse conhecimento era passado de um modo muito natural e realista, como ainda ocorre nas sociedades de feição mais tradicional.

Entre nós, já há algumas décadas tais saberes culturais deixaram de ser transmitidos verticalmente no interior da mesma família. Isso faz parte de um processo mais geral de enfraquecimento da autoridade e da função educativa dos pais, que foi sendo pouco a pouco absorvida pela escola. Desde que a educação escolar se universalizou e passou a representar a principal instância de formação da geração mais jovem, as meninas têm crescido sem nenhuma atenção ao exercício futuro da função materna. Os conhecimentos relativos ao desenvolvimento infantil e ao cuidado das crianças deixaram de ser contemplados como parte integrante e relevante do repertório cultural feminino, tendo sido deslocados para a alçada de especialistas investidos de autoridade científica.

Não se trata de sugerir que se ensine formalmente às meninas como se troca uma fralda ou se prepara uma papinha. Isso vêm com a própria necessidade. Ou pode ser resolvido com um cursinho de final de semana. O problema é de outra ordem. E ele reside no fato das meninas não serem minimamente estimuladas a trazer à imaginação questões de importância crucial para quem um dia vai assumir o papel de mãe. “Como é a rotina de um bebê? De que uma criança precisa para se desenvolver bem? Que aspectos e qualidades do meu ser terão que ser mobilizados para a tarefa de cuidar de meus filhos e educá-los? O que posso fazer para me preparar?”

As mulheres, por sua vez, só começam a perceber o quanto estão despreparadas quando se veem sozinhas com o seu recém-nascido e precisam administrar as questões da lida diária; quando a falta de segurança na condução dos pequenos rituais cotidianos e, mais tarde, na tomada de decisão educacionais, vai transformando a atividade materna em fonte de ansiedade e angústia. Muitas reagem à pressão emocional terceirizando o cuidado dos filhos, perdendo assim a chance de acompanhar e influenciar de perto o crescimento e o desenvolvimento de suas pequenas criaturas. E o triste saldo nós conhecemos. De um lado, crianças que não desenvolvem um vínculo de apego seguro com a mãe; de outro, mães que se sentem culpadas e frustradas com o conjunto de sua obra.

É muito bom poder contar com ajuda de confiança para aliviar a carga de trabalho envolvida no dia-a-dia com os filhos. E é também indispensável que os pais das crianças assumam toda a parte que lhes cabe. Mas nada substitui a atenção e o cuidado maternos e por isso não podemos tomar como natural o fato da educação das meninas não as preparar para as circunstâncias reais da maternidade. Não é digno de espanto que ninguém tenha nada a ensinar às meninas a respeito de filhos a não ser o modo mais seguro de evitá-los? Por que isso ocorre?

Em ampla medida, essa lamentável lacuna pode ser explicada pelo fato da cultura educacional nos países ocidentais ter sido gradativamente impregnada por uma agenda de viés progressista, também hegemônica na mídia e no ambiente acadêmico, e que tem num feminismo avesso à maternidade um de seus principais pilares. Tanto a educação escolar quanto a doméstica passaram a estar pautadas pela ideia de que preparar as meninas para a vida consiste em formar competências para que atuem na esfera pública, mais especificamente no mundo do trabalho.

Mas a coisa não para por aí. Pois não se trata somente de dotar as meninas dos recursos necessários para tanto. Todo um esforço vem sendo feito no sentido de convencê-las de que o desejo de construir uma carreira é mais legítimo e subjetivamente relevante do que qualquer outro. A importância social das relações domésticas de cuidado, nas quais as mulheres sempre exerceram um papel fundamental, é assim expressamente desprezada. E nada disso é por acaso. Seguindo as linhas mestras do progressismo global, o projeto educacional que está sendo implementado em nossas escolas e em nossas casas tem por escopo precisamente minar o protagonismo das mulheres na esfera privada, principalmente no que diz respeito ao papel maternal.

Devemos, sim, celebrar o fato de termos conquistado a possibilidade de exercer nossos talentos individuais também na esfera extrafamiliar. Isso é bom para nós, e também é bom para o mundo. Mas se o objetivo da educação é ampliar os horizontes existenciais das mulheres e elevar as suas possibilidades de realização pessoal, ela não pode se limitar a lhes acenar com uma posição no mercado de trabalho ou com espaços de influência na esfera pública. A grande maioria das mulheres quer se casar, ter filhos, construir uma família estável. Uma educação de fato comprometida com os seus interesses, e que vise habilitá-las para trilhar os seus próprios caminhos com liberdade e responsabilidade, precisa abraçar este dado incontestável da realidade: para a maioria esmagadora dos casos, o sucesso profissional e o prestígio social jamais poderão preencher todos os espaços da alma feminina.

 

Artigos relacionados:

Devotamento materno: por que e como não perder o foco?

 

     *           *           *

Imagem:

Trent, Gudmundsen.