O que seu filho perde quando está diante de uma tela eletrônica?

download

O hábito de passar muitas horas diante de uma tela de aparelho eletrônico tem sido associado a uma série de problemas que afetam a saúde física e mental das crianças: sedentarismo, ansiedade, agitação excessiva, dificuldades de concentração, fraca interação social, alienação do mundo real. Porém, a despeito das exortações dos especialistas para que os pais resistam à tentação de entregar celulares e tablets nas mãos de crianças pequenas, é cada vez mais comum ver um bebê olhando para a tela de um celular.

É verdade que, diante da pequena tela, o bebê fica quietinho, fascinado, parece feliz… Mas podemos dizer o mesmo de um adolescente que passa o dia todo jogando videogame, não é mesmo? Experimente abrir a porta do quarto e perguntar a ele se quer parar de jogar para passear, estudar, ou fazer qualquer outra coisa. Capaz de nem escutar. Sabemos, porém, que esse não é um hábito saudável. Da mesma forma, a expressão de fascínio de um bebê diante de uma tela não indica que você está lhe dando algo realmente salutar e benéfico ao seu desenvolvimento. Indica somente que o que se passa na tela (ou a própria tela em si) está conseguindo atrair e reter a sua atenção, mais do que as outras coisas que acontecem ao seu redor. Muitas vezes, o tempo que o bebê passa olhando para o celular acaba sendo oportuno para uma mãe cansada ou atarefada. Mas é preciso muito cuidado: esses momentos de descanso ou de liberdade podem ter um preço alto demais.

Até completar três anos de idade, o bom desenvolvimento da criança depende fundamentalmente de ela estar imersa no mundo real. Todos os dias de sua vida são repletos de experiências inéditas: ela aprende novas palavras, descobre novos objetos, avança ligeiramente na habilidade de realizar um novo movimento. A criança só necessita de oportunidades para se maravilhar com objetos e experiências reais: estímulo para os cinco sentidos, música de qualidade, contato com a natureza, oportunidade de ouvir a sua língua materna sendo bem falada, seja por meio de leitura em voz alta, seja por meio de conversas com os pais. O adulto deve administrar essas experiências, auxiliando a criança no desenvolvimento das habilidades de observação e atenção. “Olhe esta flor amarela, que linda. Espere, vamos olhar mais um pouco. Sinta como o perfume é bom e a pétala é macia.” Mesmo que ela não entenda todas as palavras, muita coisa será assimilada, não tenha dúvida.

Ora, o acesso cotidiano às telas eletrônicas vai na contramão dessas necessidades, de várias maneiras. Em primeiro lugar, porque em nada favorece o contato da criança com o mundo real, muito pelo contrário. Em segundo lugar, porque ele pode afetar os padrões de observação e concentração da criança, uma vez que não lhe exige o esforço de focalizar o objeto de seu interesse em meio a outros objetos, sons, e coisas que acontecem em torno, nem tampouco permite que ela observe o mundo no seu próprio ritmo. A tela já lhe fornece um enquadramento prévio e um ritmo pré-determinado. Por fim, dependendo do temperamento da criança, a concorrência das telas pode tornar a realidade do mundo menos atraente para ela. Para muitas crianças, as telas passam a ser o único objeto de curiosidade.

É preciso levar em conta também que, uma vez acostumado com os aparelhos eletrônicos, seu bebê um dia vai ser capaz de solicitá-los com veemência e insistência. Esse momento pode vir tão logo ele esteja apto a apontar ou pronunciar algumas palavras. A cada solicitação, você terá que avaliar a situação e decidir se deve ceder ou negar. E, a menos que a sua criança seja extremamente cordata e obediente por natureza, isso pode dar ocasião a conflitos. Então, por que começar tão cedo? Por que entregar à criança algo que, além de não ser necessário nem adequado, você vai ter que eventualmente lhe negar? Quando ela for mais crescidinha, você certamente não vai ficar satisfeito se perceber que seu tempo está sendo gasto mais diante das telas do que com outras coisas que você considere importantes. Então, me diga, por que criar esse hábito quando ela ainda não tem nem consciência de que as telas existem, nem capacidade para pedir?

A partir dos quatro, cinco anos de idade, a não ser que a família construa um estilo de vida radicalmente diferente do padrão hegemônico, as telas dificilmente poderão deixar de fazer parte da vida da criança. Elas estão em toda parte, inclusive em nossas casas, e – o que é ainda mais relevante – em nossas mãos. Mesmo que os pais tomem a decisão de jamais disponibilizá-las diretamente à criança, ela eventualmente terá acesso aos aparelhos eletrônicos em ocasiões sociais, como festas de aniversário, visitas à casa de coleguinhas ou parentes, etc. Mas isso não é, necessariamente, motivo de preocupação. Os aparelhos eletrônicos podem, sim, fazer parte da vida das crianças maiores, como elementos de entretenimento, desde que haja uma supervisão competente e incansável por parte dos adultos. O importante é que você tenha consciência da necessidade de estabelecer uma medida e implementá-la por meio de regras firmes e claras. Agora, se o seu filho já está dependente das telas a ponto de não se interessar por outras atividades, você tem um problema e precisa enfrentá-lo o quanto antes.

Durante um período de alguns meses, você precisará empreender um firme trabalho de desconstrução do hábito. Procure manter a criança, o máximo de tempo possível, em atividades fora de casa, em lugares onde ela não terá acesso aos aparelhos eletrônicos. Comece devagar, aumentando gradativamente as horas de abstinência. Se ela costuma correr para o computador, o tablet ou celular assim que entra em casa, chegue um pouco mais tarde, passe em algum lugar para fazer um lanche, mude ligeiramente a rotina. Ao mesmo tempo, converse com a criança sobre a necessidade de diminuir o tempo diante das telas. Diga a verdade. Explique que os aparelhos eletrônicos só serão aceitáveis se não ocuparem tempo demais em sua vida. Em casa, ofereça alternativas. Proponha brincadeiras e jogos, assista a um filme junto com ela. Você precisará, em suma, fazer concorrência às telas, mas faça isso com inteligência e serenidade, sem medo e sem ansiedade.

Além de regular o tempo de acesso das crianças aos aparelhos eletrônicos, é muito importante, também, prestar atenção ao conteúdo que elas estão assimilando. O que está se passando na tela? Se o seu filho joga, quais são os jogos? Você os considera totalmente adequados? Se ele assiste a séries e animações, qual é a origem e o conteúdo que está sendo oferecido? Se ele assina canais de youtubers, como é o conteúdo apresentado e o linguajar utilizado? Quais são os interesses que esses influenciadores despertam em seu filho? Fugir dessas considerações significa protelar o enfrentamento de um problema real e incontornável. A tarefa de supervisionar, filtrar, regular e, se necessário, vetar o acesso de sua criança a conteúdos inadequados é inteiramente sua. Sem a sua firme ingerência, pessoas desconhecidas, e que em sua maioria veem as crianças apenas como consumidoras em potencial, estarão livres para fornecer cotidianamente, e de maneira privilegiada, o alimento da imaginação de seu filho.

                                                *          *         *

 

Artigos Relacionados: 

O cultivo do imaginário

A defesa do imaginário

Qual é o seu projeto para o seu filho?

 

                                              *          *          *

Imagem:

Donald Zolan (1937 – 2009)