Autoridade: como entender e como exercer?

As dificuldades enfrentadas pelos pais atuais para conduzir, de maneira firme e consciente, o processo de formação da pessoa dos filhos, nada mais é do que o efeito de uma crise de autoridade, que possui raízes intelectuais e culturais muito longínquas, e vem sendo aprofundada ao longo das últimas duas gerações. A análise desse processo mereceria um artigo inteiro. Neste texto, porém, quero apenas esclarecer a minha visão acerca da natureza e da função daquilo que chamamos de autoridade parental, e dar algumas indicações sobre as boas maneiras de exercê-la.

Educar uma criança é conduzi-la para fora de si mesma, de modo que ela desenvolva as suas melhores possibilidades pessoais na direção da bondade, da beleza, da justiça e da verdade. Para percorrer essa trajetória, que, sabemos, nunca será perfeitamente regular e retilínea, a criança precisa da ajuda do adulto. Sozinha, ela não conseguirá superar os seus próprios limites, controlar as suas más inclinações, transcender a perspectiva auto-referenciada característica do psiquismo infantil, para ajustar o seu caminho de modo a seguir sempre para a frente e para o alto.

Orientar a criança é dever intransferível dos pais. Com pouco tempo de vida, a própria criança já percebe a sua imaturidade e incapacidade de lidar com a realidade que a cerca. Ela logo se dá conta do quanto precisa de nossa mão experiente para guiá-la em seu percurso, e isso a predispõe, de saída, a aceitar, e mesmo a ansiar, pela autoridade dos pais. O diferencial, o que que vai ser decisivo para que a percepção, por parte da criança, de sua própria fragilidade ontológica, seja transformada de fato em uma disposição para ouvir e seguir a orientação do adulto, é o modo como nos comportamos diante dessa tarefa. 

Para que esse processo de orientação e condução se torne mais fácil e suave, devem ser preenchidas duas condições básicas, relacionadas estritamente à conduta dos pais. Em primeiro lugar, é preciso que tenhamos segurança e firmeza. A segurança nasce da consciência da importância de nosso papel, e da aceitação de nossa grande responsabilidade, com todo o peso que ela possui. E a firmeza, por sua vez, se estabelece à medida em que conseguimos ter uma visão clara de nossos objetivos, ou seja, de onde queremos chegar. A outra condição é a nossa capacidade de oferecer bons exemplos para os nossos filhos, começando, obviamente, com o nosso próprio exemplo.

O adulto será, portanto, uma figura de autoridade, quanto mais ele puder ser percebido pela criança como um farol e um modelo, como alguém que ao mesmo tempo lhe sirva de guia e lhe desperte o impulso de se espelhar. É nesse sentido, portanto, que podemos dizer que, para uma educação norteada pelo desenvolvimento das virtudes, a autoridade emanará da própria virtude, da habilidade do adulto em demonstrar à criança o quanto ele é capaz de ser equilibrado, forte, justo, prudente.

Isso significa que todo bom educador é um adulto perfeitamente virtuoso? Claro que não, pois esse adulto perfeitamente virtuoso não existe! Mas significa, isso sim, que precisamos perseguir essas qualidades a todo custo, e colocá-las a serviço de nossa relação com a criança. O que vamos oferecer à criança, para que ela cresça, não é um conjunto pronto e objetificável de regras e modos de proceder. O que vamos oferecer a ela é, antes de mais nada, uma relação, na qual a criança poderá se apoiar para se tornar a melhor versão de si mesma.   

Essa forma de relação que construímos com a criança para que ela se desenvolva na direção certa será necessariamente uma relação assimétrica, em que um polo (o nosso) terá ao mesmo tempo mais poder e mais responsabilidade. E, para que essa relação de fato ajude a criança em sua trajetória, duas coisas se fazem necessárias. A primeira delas é a atenção. Se não prestarmos atenção em nossos filhos, se não os conhecermos, não seremos capazes de orientá-los da maneira certa e no momento certo. A segunda é a aceitação. Nossos filhos precisam estar sempre seguros de que nós os amamos do jeito que eles são, e de que embora estejamos aqui para ajudá-los a se desenvolverem em uma certa direção, isso não significa de modo algum que não sejamos capazes de aceitá-los incondicionalmente. Sentindo-se atendidos e aceitos, eles poderão repousar em nossa autoridade, para manejar com relativa tranquilidade seus próprios limites, dificuldades e más inclinações, e assim seguir adiante no processo de crescimento pessoal.

Acontece, porém, que mesmo que a nossa autoridade seja de fato apoiada em atitudes de justiça, prudência, bondade e equilíbrio, a criança nem sempre vai ter vontade de obedecer, simplesmente porque é da natureza da criança resistir, reagir – algumas mais, outras menos. As qualidades dos pais, por melhor que sejam, não representam uma garantia para o exercício da autoridade. Elas são, antes, o seu fundamento, o solo seguro no qual podemos exercer a nossa autoridade sem hesitação. E muitas vezes, para que nossa atuação seja eficaz, precisaremos estar preparados para conduzir ativamente a criança, levando-a a obedecer, a despeito de ela ser tomada, eventual ou frequentemente, pelo impulso de resistir.

Existe um saber bem consolidado a respeito de como levar a criança a obedecer sem desrespeitar a sua individualidade e quero indicar aqui um livro que me parece bastante completo nesse sentido. Trata-se de Carinho e Firmeza com os Filhos, do psiquiatra e psicoterapeuta Alexander Lyford-Pike, publicado em 2003. Nesse livro, Lyford-Pike nos ensina, tecnicamente, como estabelecer com nossos filhos uma comunicação eficaz, que iniba as más condutas, corrija as recalcitrâncias, e os leve a perceber que nossos atos sempre têm consequências. Não deixe de ler esse livro! Ele vai lhe ajudar a exercer a sua autoridade com paciência e segurança, sem nenhum receio de que ela possa se confundir com desrespeito e autoritarismo. 

***

Imagem:

Vickie Wade, Father and Son First Bike Ride

2 comentários sobre “Autoridade: como entender e como exercer?

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s